sexta-feira, 16 de abril de 2010

Soneto dos amantes desvairados.

Nós somos amantes porque amamos.
O termos ou não nosso amor ao lado
não torna improváveis os nossos planos:
- Amamos por nós e por nosso amado!

E nossa amação, sem igual no mundo,
é tal, que em estado febril constante,
buscamos no amor os porquês profundos
e ao fim de um amor, mais amor que antes.

Só vemos no amor, para o amor, a cura,
mas nunca vulgares, nem vãos, nem vis.
Nós damos a vida ao amar assim!

E, assim, nós "morremos", igual se diz,
por todas as forças que o amor conjura,
em cada romance que chega ao fim.

9 comentários:

josé agapanto disse...

QPF= 97,516

josé agapanto disse...

"O flamboianzinho é um arbusto ou arvoreta perene, muito popular no paisagismo tropical. Ele apresenta caule lenhoso, ereto, ramificado e cheio de espinhos.
Deve ser cultivado sob sol pleno ou sombra parcial, em solo fértil, enriquecido com matéria orgânica e muito bem drenado. Adubações anuais estimulam uma intensa floração. Tolerante ao frio leve, em climas subtropicais ou mediterrâneos, tornando-se caducifolia (perde as folhas no inverno). Multiplica-se por sementes."

Jéssica disse...

Uma triste(?) verdade.

josé agapanto disse...

Tinha que ser primo do Cartola mesmo..

Raquel disse...

Lindo! :)

João Antônio disse...

É que somos como a fênix do mito, morremos mesmo cada vez que morre uma relação nossa. Gostei da reflexão.

josé agapanto disse...

ê vida...

M.S. Netto disse...

"Me parece" que a habilidade de sonetista de Teófilo cresce

lulu disse...

versão tupiniquim para i fall in love too easily. adorei!